quarta-feira, 6 de junho de 2012

 O Mondego, de uma estrela emana juventude, que em Coimbra faz nascer emoções.


Parque Verde do Mondego, Coimbra, Janeiro 2012   

sábado, 2 de junho de 2012

Timidamente, há uma lágrima que saltita em lugar incerto e brota em locais diferentes do olhar. Não se sabe onde, nem quando, mas ela vai explodir.
Quando isso acontecer, podem vir tempestades, calmarias, desertos de calor, que nada vai mudar a bolha de sabão, feita com a água salobra das minhas lágrimas, que se formar entre mim e ti.

quinta-feira, 29 de março de 2012

Gostava que o tempo nascesse, e que não precisasse de dormir  nem de descansar. Adorava ser imune a metade de tudo o que se passa, e não me precisar de lamentar pela falta de tempo em alimentar este blog. Adorava continuar a ser menina que escreve em cadernos de aulas que eram perdidas entre conversas ás tantas da noite e intervalos que vinham. E saudades que nasciam de coincidências que despertavam sorrisos. e que agora não despertam nada...

quarta-feira, 7 de março de 2012

Estranhas pessoas fazem-nos lembrar conhecidas memórias.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Pequenas aragens trazem grandes recordações de grandes prenuncios de intempéries que acabaram por acontecer. E cumpre-se a fóbica recordação de que a recordação vai voltar. Então volta, cumpre a sua função - arrepia, magoa, enraiva, e vai.. - tão sorrateiro como quando chegou.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Cada dia foge pelas entranhas do Mondego, pelos caminhos traçados por alguém que um dia veio a ser Rei, por capas pretas arrojadas pelas calçadas ladeiradas. Pingas de suor que transbordavam equações químicas, matemáticas,  nomes de ossos, músculos e foramens,  letras, grandes análises de obras jorram nas ruas. E cai noites soberbas onde serenatas acordam os habitantes mais antigos. E nascem os dias. E cala-se a noite. E voltam as capas a arrojar nas ruas.

sábado, 31 de dezembro de 2011

O tempo foge por todas entranhas da vida... acelera o passar do tempo, e de 360 graus, surgem mudanças. Do dia 365 para o primeiro do próximo ano, não há mudanças. Há renovação de votos. De desejos que porventura, nunca serão cumpridos.
De qualquer forma, senhor 2012, seja muito bem vindo, e não seja demasiado drástico com o mundo. Deixe que todas as coisas boas aconteçam, e doseie muito bem as menos agradáveis!

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Quero escrever. E a vontade raptou-me das paragens onde devia estar. E corro pela mente a fugir da vontade - ladrão. E a mente, afinal, é ciclica. E venho encontrar a vontade de escrever. E faço-lhe a vontade. Mas só um bocadinho...

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Alguém um dia irá repor as pedras em falta?
Escreve a saudade com a tua mão
E faz-me ver com os olhos o teu coração
Pois chegou a hora de poder sorrir
É que o vento trouxe o cheiro sem mentir
É doce amargo cheio de cor
Sem peso ou marca para onde eu for
Se mexer no lento cheiro preso aqui
Tenho o cheiro solto vivo mesmo ao pé de mim
Se dormir no louco cheiro e acordar
O mesmo cheiro em todo o corpo vai ficar
É doce amargo cheio de cor
Sem peso ou marca para onde eu for
Serei o que temer

Penso que se trata da letra de uma musica de Lucia Moniz
Parei por perder
O lento respirar
Este novo cheiro um beijo me deu
É filho de um cheiro que envelheceu
Tinha todo o nome de um cheiro maior
Que chega com os passos que ouço em redor

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Coabita em mim - tal como em Fernado Pessoa, e em quem se cruza comigo no passeio - várias pessoas que lutam entre si várias vezes ao dia, por várias causas diferentes, por várias situações distintas. Balança o sopro do vento artroz na janela, treme o vidro. Grito? Adormeço? Vou para a rua?
Canta o rádio no carro que passa. Danço? Ignoro? Comento?
E a pessoa que se cruza no passeio, alheia aos meus insensatos pensamentos, passa por mim. Viro a esquina, desligo a mente,  e caminho, novamente sozinha.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Pela segunda vez, dou um saltinho ao mundo dos concursos.. pela segunda vez é o promovido pelo Santandertotta.
Passe por lá.. espreite, veja se gosta.. e vote!

 Memórias vazias

Fica um pouquinho do texto:

"Cliquei na pasta vazia, outrora cheia de sonhos e esperanças em futuros paralelos ao presente de hoje. Abriu-se uma das primeiras de muitas, que se revelou a única recordação física daquilo que foram labaredas de incessante conquista e descoberta."

(excerto)

domingo, 16 de outubro de 2011

Parte I

Quanto tempo mais aguenta o Ser Humano sem a condescendência necessária á sua liberdade física - ir para onde quer -  e psíquica - agir como desejar  -.
Quanto tempo mais aguentará o Ser Humano a hipocrisia das ações e das emoções. Quanto tempo - pergunto de novo - demorará o Ser Humano a ser egoista quando necessário, e consigo mesmo, em vez de o ser, mesquinhamente, com os outros.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

"Os olhos da nossa memória, vêem melhor do que os nossos"

Entre uma e outra estação do Metro de Lisboa
"Debaixo do chão", também se conhece a cidade

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Crescemos em partes separadas do mesmo Mundo.. Cantámos o mesmo hino, soletrámos as mesmas palavras dissemos o mesmo alfabeto. Olhámos as mesmas estrelas solenes e graciosas. E sorrimos ao olhar para elas. Houve nós de garganta, gargalos de garrafa, gargalhadas. Gostámos das mesmas coisas e chutámos a bola, empurrando o céu, para o alcance dos sonhos ser maior. Para aumentar o limite de chegar ao fim de algo, ao princípio de outra coisa.
E terminamos de costas voltadas. Um, aos chutos para o céu.. outro, a empurrar o Mundo. Quem é quem?

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Toda a gente fala, resmunga, diz que vai. Mas quando entra e faz, torna-se mais difícil. Há um Deus Negro na Terra, personificado em muitas pessoas que te ordenam. Há um objectivo pessoal em cada um dos seus servos, mas há um único fim naquele Deus personficado. E três dias bastaram para os servos absorverem aquele espírito que torna o Deus um só. E uma salva de palmas, e um levantar de capas deixa a emoção que é estudar em Coimbra, como de tanta gente fala, mas como nem todos já sentiram.

praxis,
depois do concurso de cursos 

sábado, 24 de setembro de 2011


Coabita duas meias realidades, duas meias verdades, num país sem cor nem luz...dos anos 50. Dum século perdido, deixa a despido a pele histórica, relatadora de factos que acontecem em cada instante. É constante o sonar da história, em meias verdades, acompanhada da sua restante mentira, de boca em boca.  Somos metades que sempre se complementarão. Como outrora foi falado, venha a cor e deixe de haver mentira, que a história perderia o encanto.
_________Deixem sempre espaço para sonhar -

sábado, 17 de setembro de 2011

Pudesse eu não ter laços
nem limites
Ó vida de mil faces
transbordantes
Para poder responder
aos teus convites
Suspensos na surpresa
dos instantes!

Sophia de Mello Breyner

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Hoje - um hoje efémero que perdura - quero atrair coisas boas e deixar de parte as bagatelas frases dos iludidos seres iguais a mim.
Hoje, tal como no passado, entendo e sei que nada aconteceu por acaso, nem por inveja, nem por mesquinhes. Mas também sei que não interessa porque aconteceu - por isso mesmo, porque já aconteceu -.
Hoje, porque nada mudava no passado, caminho de sorriso nos lábios e cabeça erguida - não foi culpa minha nem de ninguém -.
E assim avanço, sem queda nem balanço, firme em cada passo, sem querer olhadela ou amasso, sorriso ou descompasso.
Assim, não sobrevivo - antes vivo - livre e sem medo, com um nada - que é a melhor coisa do Mundo - e sem um tudo incompleto - sem tropeção ou empurrão vindo do nada -  que forçada, tento culpar.

Depois de Auschwitz
Vila Velha de Rodão
. As portas que  não se fecham nem abrem, as portas que acolhem e despedem de quem passa. Portas da Terra, portas da Água, portas do Ar. Janelas que não se abrem, portas que sempre deixam entrar.

domingo, 4 de setembro de 2011

"Outra enormidade actual é a ideia de que dois seres apaixonados podem ser "amigos". Isto é como querer que um vulcão sirva também para aquecer um tacho de sopa. Ofende tanto a amizade – ou o fogão – como o amor – e o vulcão. Ser amigo é querer o bem de alguém. Amar é querer alguém, e acabou. Se for a bem, melhor. Se for a mal é porque teve de ser. Um vulcão só irrompe de quando em quando, e ás vezes uma única vez. Como o amor. E o fogão dura quase toda a vida, como a amizade. Não haja confusão."


"A causa das coisas", Miguel Esteves Cardoso

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Com um grande Obrigado no fim

As calçadas falam breves e fugazes ao som dos meus passos apressados que fogem ao medo de ser assolados por outros passos. Caminho de cabeça longe, entre uma Primavera chegada e um Outono acabado. Há frio, há sol, e falta-me um casaco que me aconchegue os braços. Que me aconchegue a alma desta angustia fulminante que nasceu há muitos anos. Ou nem tantos. Mas o tempo é relativo e relativamente a mim, passou muito tempo, tempo demais, e quero perguntas a quem quero dar respostas, e desejo as respostas ás minhas perguntas.
E continuo a andar, e aumenta o cantar da calçada e eu aumento o meu passo, já de si apertado. Mas rápido. É o caminhar de anos com a pressão desses mesmos anos em cima. Dobro a esquina e entro noutra rua que não conheço. Tanta coisa que desconheço e que queria conhecer. Olho o telemóvel que está em modo silêncio, tal como o Mundo em que vivo. Olho para traz. Não vem ninguém. Preciso de alguém.
O barulho do comboio ao longe desperta-me. Onde estou? O que sou? Fecho os olhos e sinto o vento a bater na cara. E nos braços. Sinto tijolos debaixo da mão apoiada na parede e imagino-lhes a cor – um laranja torrado -. Inebriada pela sensação de Liberdade, assusto-me ao perceber que o vento levou o me véu. E no Médio Oriente não se anda sem véu – muito menos anda sem véu uma fugitiva -. Saltam-me lágrimas, e cai chuva – não, afinal sou só eu a chorar, com o véu no pescoço. Os passos continuam solidários e isso faz com que não precise de olhar para traz, isso faz-me lembrar o que deixei. Há o barulho das crianças, o tom autoritário do Iraniano meu marido e dono. Penso na revista deixada pela Europeia que trabalha na Grande empresa de Teerão.
Estava em Inglês. Agradeci a Alá o momento em que a minha mãe levou a sova do meu pai. Uma enorme consequência da exigência que ela fazia... tirar um curso de Inglês. E o curso que tirou muita saúde à minha mãe, mas que me dá agora muita saúde.
Ainda não sei como sair do País. Há organizações, sei que há. A revista confirmou o eu pensava poder ser possível. Mas onde? Não se pode confiar em ninguém. Carrego no meu corpo anos de submissão traduzidos em marcas que me identificam no corpo e na alma. Há um largo. Um circulo que me assusta. Não quero voltar ao mesmo...sigo pela transversal, fujo da praceta cúmplice do meu estado: acusações, culpas e desculpas... acusações.
Sigo solitária com os meus paços e com o vento. Tão só como quando tinha a casa cheia.
E agora? Agora vou caminhar. Até me encontrar. Me encontrarem ou ser encontrada.
Poderei ir e voltar? Não... sarar as mazelas para as tornar depois mais fortes é carregar água com sede e não a beber.
Oiço passos. Serão ajuda ou destruição?


 128º lugar (de entre 819), Concurso Conte Connosco, Julho 2011